As 7 Igrejas do Apocalipse

Alguns estudiosos ensinam que essas 7 igrejas têm três significados proféticos:

1.º- Representam 7 fases da Igreja Cristã, no decorrer dos séculos, da 1.ª à 2.ª Vinda de Jesus Cristo.

a) Éfeso – Representa o tempo em que a Igreja começou a perder o amor pela obra de Deus; é a igreja fria, logo após o tempo dos apóstolos.

b) Esmirna – Representa o tempo em que a Igreja começou a ser perseguida; é o tempo dos mártires, na grande perseguição do Império Romano.

c) Pérgamo – Representa o tempo em que a Igreja se aliou ao mundo, e o mundo entrou na Igreja. É o tempo da Igreja politiqueira e mundana na Idade Média.

d) Tiatira – Representa o tempo em que a Igreja se misturou à idolatria, quando muitos dos seus membros se entregaram à prostituição e passaram a cultuar os ídolos. É o tempo da Igreja na Idade Média, quando começou a adoração aos santos e aconteceu a infiltração de imagens nos templos (até hoje muitas igrejas que se dizem cristãs trazem essas marcas malignas da Idade Média).

e) Sardes – Representa o tempo em que Igreja esteve como morta, tendo apenas alguns poucos sobreviventes, que lutavam por um reavivamento. No final da Idade Média começou a Reforma dentro da Igreja, quando alguns começaram a despertar. Foi um tempo de muita luta e derramamento de sangue inocente.

f) Filadélfia – Representa a Igreja reavivada, logo após o nebuloso tempo da Idade Média. É a Igreja que recebeu a promessa de ser levada do mundo antes do domínio do Anticristo.

g) Laodicéia – Representa a pior das Igrejas. É a Igreja de hoje, super moderna, que tem substituído o culto a Deus por muitas coisas profanas. É a Igreja materialista e rica que acha que não precisa de mais nada. É a Igreja que colocou Jesus do lado de fora. Representa a última corrupção da igreja, pouco antes do Retorno de Cristo, nos dias atuais. Podemos dizer que atualmente há somente duas espécies de Igrejas no meio de tantas: A de Filadélfia e a de Laodicéia. Se nós estamos sabendo disso temos a grande responsabilidade de preservar a Igreja de Filadélfia e lutar contra a corrupção de Laodicéia.

2.º- Mas ao mesmo tempo essas 7 igrejas representam também 7 tipos de igrejas que sempre existiram em todas as épocas do Cristianismo. Atualmente (como em todas as épocas da Era Cristã) temos igrejas frias, perseguidas, mundanas, idólatras, mortas, reavivadas e mornas.

3.º- O terceiro significado dessas 7 igrejas é que elas representam 7 tipos de Cristãos que sempre houve e sempre haverá dentro do Cristianismo (pelo menos até o retorno de Cristo). E a classe que vai predominar no final dos tempos é aquela representada pela 7.ª Igreja. É o que estamos vendo hoje. A RELAÇÃO ENTRE AS 7 IGREJAS E AS 7 PARÁBOLAS DE JESUS EM MATEUS 13


– Os estudiosos das profecias já descobriram uma maravilhosa relação entre essas 7 parábolas e as 7 Igrejas do Apocalipse, cujo significado acabamos de estudar. Sendo assim, essas 7 parábolas também representam os 7 períodos da Igreja Cristã na terra. Vejamos:

a) A parábola do Semeador – Jesus mostra que a semente semeada no bom terreno deu fruto a 100, 60 e 30. Por que? Isso mostra diminuição de frutos. Foi o que passou a acontecer com a Igreja de Éfeso e com a Igreja de maneira geral no final do I Século da Era Cristã. A Palavra de Deus é impressionante e precisa.

b) A parábola do Joio e do Trigo – mostra cristãos falsos misturados com os verdadeiros. A mesma situação estava ocorrendo com a Igreja de Esmirna, e a mesma coisa ocorreu com a Igreja no período das perseguições romanas.

c) A parábola do grão de mostarda – mostra muitas aves abrigando-se nos galhos da “árvore cristã”. No 3.º período da Igreja (Pérgamo) foi o tempo em que a Igreja tornou-se mundana e corrompida – é o tempo da falsa conversão do imperador romano Constantino. A partir dai ser cristão virou moda. E toda espécie de “ave” passou a se acomodar na Igreja. Aves imundas na profecia representa seres demoníacos. Jesus mesmo disse ao contar essas parábolas que ali as aves estavam representando o poder do mal.

d) A parábola do Fermento – mostra uma mulher misturando fermento com a farinha. Na Bíblia o fermento sempre representou coisas negativas, e a farinha tem a ver com o povo de Deus ou a doutrina cristã. Isso estava bem claro. A mulher é a Igreja falsa que haveria de colocar fermento (falsas doutrinas) na Igreja pura (a farinha). E é justamente na 4.ª Igreja do Apocalipse (Tiatira) que aparece também uma mulher, chamada Jezabel, que é uma prostituta, corrompendo a Igreja.

e) A parábola do Tesouro escondido – tem a ver com o período da 5.ª Igreja (Sardes), pois nela o povo de Deus estava como um tesouro escondido, ou seja, havia só uma minoria espiritualmente viva, pois os demais estavam na idolatria e libertinagem. Nessa época ser cristão era uma raridade.

f) A parábola da Pérola de grande valor – representa a Igreja de Filadélfia. É o tempo da Igreja Reavivada. Assim como a pérola é encontrada no fundo do mar, um dia Jesus voltará e arrancará sua pérola (= a Igreja) do grande mar (= símbolo de nações nas profecias), e a levará para o céu.

g) A parábola da Rede separando os peixes bons dos ruins – É o tempo da Igreja de Laodicéia. O tempo atual, que terminará em julgamento, quando Deus irá separar os cristãos verdadeiros dos falsos. Alguns afirmam que essa parábola se cumprirá (profeticamente) no período da tribulação, o­nde, literalmente, serão separados os justos dos injustos.


Fonte: ARQUIVO 7 - CENTRO DE ESTUDOS SOBRE PROFECIA E NUMEROLOGIA BIBLICA - Igarapé Grande - MA.